close

Jiujiteiro castilhense é o 5º melhor do mundo no ranking da FloGrappling

Jiujiteiro castilhense é o 5º melhor do mundo no ranking da FloGrappling – destaque

Após competir na Europa e vencer alguns dos torneios mais importantes do País neste ano, Vitor Hugo Sotini acaba de conquistar o Campeonato Sul Americano de Jiu-Jitsu

Aos 21 anos de idade, o jovem castilhense Vitor Hugo Sotini vem se destacando e é atualmente uma das maiores promessas brasileiras no cenário mundial do jiu-jitsu. Entre as suas mais recentes conquistas, destacam-se a vitória na 1ª Etapa do Paulista no ano passado e, neste ano de 2019, o título em outros campeonatos importantes como o Curitiba Pro, o São Paulo Open e ainda mais recentemente, o inédito Sul Americano. O bom desempenho nos tatames dentro de sua categoria, lhe rendeu a 5ª posição no Ranking dos melhores atletas do mundo, segundo avaliação feita pela “FloGrappling” – um dos maiores sites especializados em notícias e transmissões de Jiu-Jitsu no planeta.

Jiujiteiro castilhense é o 5º melhor do mundo no ranking da FloGrappling - interna5

Mas deixar Castilho e encarar o mundo, passando inclusive pela Europa, não tem sido uma jornada muito fácil, conforme nos revela Vitor Hugo em entrevista exclusiva concedida à nossa reportagem esta semana. Entre os desafios, a falta de incentivo financeiro para participar das maiores competições dentro de sua categoria, é um pesadelo que ele partilha com centenas de outros grandes expoentes deste e de outros esportes no Brasil.

A seu favor, no entanto, o jiujiteiro destaca dois importantes fatores: primeiramente estar treinando numa das maiores academias competitivas do Brasil; segundo, a disciplina rigorosa e o foco para manter-se concentrado nos seus objetivos.

Jiujiteiro castilhense é o 5º melhor do mundo no ranking da FloGrappling - interna1

Os resultados altamente positivos conquistados ao longo destes últimos dois anos, revelam que o atleta está no caminho certo e tem servido de inspiração para outros competidores não apenas em Castilho, mas em várias outras partes do Brasil.

Um destes atletas “inspirados” por Vitor Hugo é o pequeno Bryan Koyama Paz, que aos 09 anos de idade, resolveu seguir os passos do primo e também ídolo. Desde o início deste ano, ele frequenta a mesma academia onde Vitor Hugo iniciou seus passos, aprendendo com o sensei Cristiano os fundamentos deste esporte. Atualmente na faixa cinza, Bryan sonha em disputar uma competição de grande nome ao lado do tio e, se possível, vencê-lo no tatame.

Jiujiteiro castilhense é o 5º melhor do mundo no ranking da FloGrappling - interna2

A disposição do pequeno Bryan é uma das motivações que leva Vitor Hugo a superar seus limites em cada competição. E os sonhos do atleta incluem, entre muito outros objetivos, a conquista do Pan e do Campeonato Mundial.

Sem mais delongas, convidamos você, leitor, a conhecer um pouco mais deste atleta que deixou a pacata cidade de Castilho para cruzar continentes em busca do ouro nas maiores e mais importantes competições mundiais do Jiu-Jitsu:

Jiujiteiro castilhense é o 5º melhor do mundo no ranking da FloGrappling - interna3

FICHA TÉCNICA:

  • Nome completo: Vitor Hugo Dos Santos Sotini
  • Idade: 21
  • Peso: 76Kg
  • Modalidade Esportiva: Jiu-Jitsu
  • Categoria: Adulto/Leve/Roxa

Marco Apolinário: Quando, onde e porquê começou a lutar?

Vítor Hugo:Comecei em 2012, em Castilho, com o sensei Cristiano, na Academia Center Fighter. Comecei a treinar por já gostar de lutas. Eu assistia muitos filmes de lutas que me inspiravam! E um amigo me chamou um dia para treinar e gostei logo de cara!

Marco Apolinário: Como foi a sua evolução no esporte dentro de nossa região?

Vítor Hugo: Eu tentava treinar o máximo que eu conseguia, não perdia um dia de treino e ganhei algumas competições regionais”.

Marco Apolinário: Quais foram as suas principais conquistas em títulos antes de ir pra SP?

Vítor Hugo: “Difícil listar cada uma delas porque já se passou algum tempo. Mas eu participei junto com a Academia Center Fighter de praticamente todas as Competições Regionais mais importantes antes de me mudar para São Paulo.

Marco Apolinário: Quando e porque decidiu ir para a capital paulista?

Vítor Hugo: Desde os 16 anos tinha uma vontade muito grande em seguir em frente com o jiu-jitsu, em transformar minha dedicação em frutos, mas ainda não sabia como. Quando terminei o colegial, me mudei para São Paulo no ano seguinte.”

Marco Apolinário: Qual academia frequenta atualmente e como é a sua rotina diária de treinamento, alimentação, vida social, etc.?

Vítor Hugo: Treino em uma das melhores academias de competição do Brasil, que se chama Cícero Costha, em São Paulo. Geralmente faço dois treinos por dia, de segunda à sexta-feira e, às vezes, treino nos finais de semana. Não tenho uma dieta que sigo à risca, porém tento sempre me alimentar o melhor possível, quando vou em alguma competição que preciso cortar peso, me privo um pouco mais.

Jiujiteiro castilhense é o 5º melhor do mundo no ranking da FloGrappling - interna4

Marco Apolinário: Entre seus títulos mais recentes, estão três de enorme importância em todo o mundo. Conta quais foram esses títulos, quando os conquistou e qual a sua reação diante de cada um deles?

Vítor Hugo: Recentemente ganhei o campeonato Sul-Americano que aconteceu em São Paulo. Ano passado eu havia ficado em segundo nesta mesma competição. Estava me sentindo muito bem nas competições, nos treinos e o resultado veio. Fiquei muito feliz por ter me saído tão bem, mas não foi uma surpresa. Venho me preparando há muito tempo. No começo do ano competi o Campeonato Europeu. Infelizmente não fui tão bem, mas na mesma época competi o ‘Europe Continental Pro’, de outra federação bem grande, e fui Vice-Campeão. Fiquei com a sensação de que faltou muito pouco. Ano que vem quero ir em busca dos maiores campeonatos – Mundial – Pan – World Pro. Mas faltam apoios”.

Marco Apolinário: Participar de eventos deste tipo, de nível internacional, exige não apenas habilidade, técnica e compromisso com a rotina diária. O apoio financeiro também é fundamental. Como você tem feito para custear cada uma destas viagens?

Vítor Hugo:Não é nada fácil custear as viagens. Quando viajo pelo Brasil, pago um valor simbólico utilizando um recurso que o governo disponibiliza para jovens atletas. Quando fui para fora foi um pouco complicado pelas despesas que eu teria. Fiz uma rifa que me ajudou em algumas despesas e, por sinal, não foi nada fácil para vender, mas consegui. Revendi alguns kimonos e muitas pessoas de Castilho me ajudaram, principalmente minha família e amigos do Jiu-Jitsu!

Marco Apolinário: Caso alguma empresa ligada ao mundo das artes marciais ou qualquer outra atividade empresarial deseje apoiar sua carreira, o que deve fazer?

Vítor Hugo:Se alguma empresa se interessar em me apoiar/patrocinar, basta entrar em contato comigo pelo e-mail: bjjvitor01@gmail.com, ou em uma das minhas redes sociais: https://www.instagram.com/vitorhsotini/

Facebook – Vitor Hugo Sotini https://www.facebook.com/profile.php?id=100009443641623&ref=br_rs”

Marco Apolinário: Pra finalizar, é evidente que sua ascensão meteórica não foi conquistada sozinha. Existem pessoas importantes em sua vida que o apoiaram e participaram de alguma forma na conquista destas disputas. Fique à vontade para listá-las e fazer os seus agradecimentos.

Vítor Hugo: Minha família foi essencial para isso! Por sempre me apoiarem: meu pai, meus avós, minha mãe. Meu primeiro professor Cristiano com o qual comecei a treinar e me incentivava muito! Ao mestre Cícero Costha por abrir as portas pra mim e dar essa oportunidade de crescimento! E a todos que de alguma forma me ajudaram, desde palavras de incentivo a apoios para competir (não vou citar nomes para não esquecer ninguém). Sou grato a todos!

Compartilhe no Whatsapp !
Tags : Destaque